SEO: tudo sobre Search Engine Optimization

SEO significa Search Engine Optimization, ou otimização para mecanismos de busca. É através de boas práticas de SEO que um site consegue estar ranqueado nas primeiras posições do Google.

O Google é um gigante, isso todos nós sabemos e os números não deixam negar: de acordo com o portal Mashable, ele concentra mais de 100 bilhões de pesquisa mensalmente.

Portanto, quem busca investir no marketing digital, com certeza está procurando aparecer nos primeiros resultados do Google.

Segundo o HubsPot, a primeira posição no ranqueamento do Google gera uma taxa de clique de 34,36%.

Além disso, o Search Engine Journal expôs que os três primeiros sites nos resultados dos mecanismos de pesquisa resultam numa taxa de 60% dos cliques.

Dessa forma, aparecer nas primeiras posições pode ser um grande diferencial para o seu negócio e investir no tráfego orgânico é um dos meios para atingir esse objetivo.

Porém, como é possível aparecer efetivamente nos primeiros resultados do Google? É simples: utilizando as práticas de Search Engine Optimization.

A seguir nós montamos um manual para você entender tudo sobre tráfego orgânico x tráfego pago, o que é SEO, uma lista completa das boas práticas de SEO e a diferença entre as técnicas de BlackHat e WhiteHat.

Esclarecendo termos: tráfego orgânico x tráfego pago

Tráfego pago é aquele conseguido através de anúncios pagos no Google. Para simplificar, os sites que aparecem no topo do mecanismo de pesquisa com uma caixinha escrito “anúncio” são os que pagam para estarem ali.

As publicidades pagas do Google Ads podem gerar bons resultados, seja aumentando o tráfego no seu site ou conseguindo novos clientes para uma campanha específica, por exemplo.

Porém, investir seus recursos financeiros para ranquear no Google não deve ser a sua única estratégia de negócio, visto que com o tráfego orgânico você pode obter resultados ainda mais otimizados de maneira acessível.

Quem consegue público através do orgânico, é porque possui um site com conteúdo relevante e atendeu algumas regras que são impostas pelo SEO para quem quer aparecer nas primeiras posições do Google.

Segundo o Search Engine Land, os profissionais de marketing que utilizam técnicas de SEO orgânicas junto com anúncios de pagamento vêem uma média de 25% a mais de cliques e 27% de lucro, em comparação com quem utiliza somente uma única estratégia.

Dessa forma, o ideal pode ser mesclar as duas técnicas para que o seu negócio tenha resultados positivos.

– Entenda mais: Qual a diferença entre tráfego orgânico e tráfego pago?

Mas no texto de hoje o nosso foco é como conseguir tráfego orgânico. Vejamos a seguir o que é SEO.

Mas e na prática, o que é o SEO?

Como já explicado, SEO é Search Engine Optimization, ou otimização para mecanismos de busca, em português. É um conjunto de técnicas para que sites e páginas web, como blogs, possam ranquear bem nos mecanismos de pesquisa como o Google, Bing, Yahoo, etc.

Além de produzir conteúdo relevante para que o seu site possa estar bem posicionado, é preciso que ele siga algumas regras afim de que o algoritmos do Google possam encontrar a sua página na web.

Como o Google representa aproximadamente 95% do volume de pesquisas no Brasil, o foco será nele e como o seu site pode melhorar a performance neste buscador.

Como o Google trabalha?

O Google funciona a partir de algoritmos: todo o trabalho é realizado por robôs que são capazes de escanear e monitorar o conteúdo do seu site.

Com esse scanner, o algoritmo consegue dizer se o conteúdo do site seguiu as técnicas de SEO e se o seu conteúdo é relevante para o assunto que você propôs.

Atualmente, o Google utiliza mais de 200 fatores que determinam a ordem do ranqueamento de sites.

Esses fatores mudaram – e continuam mudando – ao longo dos anos e, por isso, nem todos são conhecidos, porém, algumas boas práticas de SEO já estão bem estabelecidas entre os produtores de conteúdo.

Quais são essas boas práticas de SEO e como segui-las?

Vejamos a seguir quais são os fatores já conhecidos que são relevantes para os algoritmos do Google e como você pode aplicá-los nos seus conteúdos.

Palavra-chave: o que é, quais os tipos e como utilizar

Antes de mais nada, para decidir sobre o conteúdo do seu blog post ou da página do seu site, é interessante saber sobre o que o seu público está querendo saber e quais as palavras eles mais procuram no mecanismo de pesquisa.

Dessa forma, é essencial que você conheça muito bem o seu público para, só então, definir qual a palavra-chave será utilizada para que você aproveitar o tráfego orgânico no seu site.

– Saiba mais: Persona: qual a importância e como definir a da sua marca.

Para esse processo, você pode utilizar algumas ferramentas e estratégias, como o próprio planejador de palavra-chave do Google, que te indica quais são as palavras utilizadas na pesquisa de um determinado tema.

Nesse sentido, há dois tipos de palavras-chave que podem ser utilizadas: as de cauda curta e de cauda longa.

Tipos de palavra-chave

As palavras-chave de cauda curta são aquelas compostas por uma ou duas palavras e que possuem um volume imenso de busca, são mais genéricas e possuem uma concorrência bastante grande.

Quando você optar por uma palavra de cauda curta é importante que, de acordo com as técnicas de SEO, você produza um conteúdo de extrema relevância e que não seja nada superficial, visto que, apesar da oportunidade do tráfego ser atrativa, a sua concorrência é igualmente gigantesca.

Além disso, é essencial que você sempre atualize esse conteúdo para que ele se mantenha sempre relevante e possa estar nos primeiros resultados do Google.

Já as palavras-chave de cauda longa são aquelas maiores, compostas por mais palavras e são mais específicas. Optando por essas palavras, a chance de você ranquear no Google é um pouco mais simples.

Ao utilizar as palavras-chave de cauda longa, apesar do tráfego ser menor por elas serem mais específicas para o seu nicho comercial, a chance do seu público te encontrar é muito maior, uma vez que o seu conteúdo será direcionado especificamente para aquela palavra.

As regras de SEO devem ser seguidas independente de qual palavra-chave você escolher, porém, as palavras longas podem ser mais fáceis de ranquear no Google, de tal forma que seja possível gerar o tão desejado tráfego orgânico.

Como utilizar

No seu texto ou site, é importante que você faça uso da palavra-chave algumas vezes para que os algoritmos possam identificá-la.

Dessa forma, é importante anexar a palavra-chave no título, na meta descrição, em pelo menos um subtítulo e também ao decorrer do conteúdo, priorizando seu uso logo no início do texto para que o Google entenda do que você quer falar.

Não existe um número redondo de vezes que a palavra-chave deve ser citada. É importante que o seu uso seja de forma orgânico, visto que utilizá-la muitas vezes pode ser considerado uma prática ruim de SEO, o que irá prejudicar a sua tentativa de ranqueamento.

É também importante ressaltar que os robôs do Google são uma inteligência artificial, de forma que não é necessário utilizar a palavra-chave pura todas as vezes.

Se você utilizar sinônimos ou termos relacionados com a sua palavra-chave, eles também irão entender o que está sendo dito.

– Quer saber mais como fazer conteúdo utilizando palavras-chave? Clique aqui!

URLs

URL, Uniform Resource Locator em inglês, conhecido em português por Localizador Padrão de Recursos, é o endereço que o leitor utiliza para encontrar o seu conteúdo.

Como um dos fatores de ranqueamento no Google, as URLs devem ser curtas, fáceis de ler e, principalmente, conter a palavra-chave utilizada no seu texto relacionada com o título do seu site ou conteúdo.

Título

Seguir dicas simples de SEO para o título do seu texto ou página pode te ajudar no melhor posicionamento no Google.

É recomendável que ele não seja muito longo, esteja relacionado de forma objetiva com o conteúdo proposto e que a palavra-chave esteja no início do título.

Meta descrição

A meta descrição é o texto curto que aparece quando realizamos uma pesquisa no Google, cujo objetivo é fazer com que o leitor possa entender, de maneira objetiva, qual o assunto que será tratado no texto.

As práticas de SEO para produzir uma descrição que gere resultados positivos é utilizar novamente a palavra-chave, instigar o usuário a ler o seu conteúdo, não ultrapassar 200 caracteres e não copiar e colar um trecho do texto.

É importante que você cumpra as promessas realizadas na meta descrição: não engane o seu leitor e realmente entregue o que foi proposto.

Conteúdo: relevância, originalidade, tamanho
Relevância

Criar um conteúdo rico e relevante é um dos principais fatores para que o seu site possa ranquear bem no Google.

A partir do momento que você definiu o seu tema e sua palavra-chave, é importante que o conteúdo a ser produzido seja interessante para o leitor e que ele possa realmente sanar suas dúvidas quando ler o seu texto.

Dessa forma, produzir um conteúdo rico é uma das mais importantes dicas de SEO, visto que, caso o seu conteúdo seja apenas uma enrolação e não acrescente nada para o seu leitor, o Google não irá colocá-lo como prioridade no ranqueamento.

– Confira: Como fazer criação de conteúdo de forma relevante.

Originalidade

O texto produzido deve ser original, jamais copie! Essa é uma péssima prática e pode, ainda, gerar problemas legais para a sua empresa. O processo de pesquisa é necessário, logo, crie um conteúdo singular.

Tamanho

Com relação ao tamanho, um dos fatores para o seu texto ranquear bem no Google é que ele tenha, em média, 2500 palavras.

Esse número alto de palavras é considerado como importante pelo SEO pelo fato de que os robôs entendem que, quanto maior for o conteúdo, mais relevante ele será, de forma que possa responder todas as dúvidas do seu leitor.

Porém, esse número de palavras não é uma regra geral. Para produzir um conteúdo relevante, você deve conhecer bem o seu tema e com quem você procura dialogar, ajustando o tamanho do seu conteúdo de acordo com o seu público.

Além disso, é também relevante que você não utilize parágrafos muito longos para facilitar a leitura.

Cuide também com a qualidade conteúdo, se atentando a com itens como gramática, semântica, concordância e outras regras para que a sua página seja bem interpretada pelo mecanismo do Google.

Tópicos e subtítulos

Para que o Google entenda que o seu conteúdo segue uma lógica textual e está organizado, uma boa tática de SEO é utilizar tópicos dentro da sua página.

É importante fazer uso de tamanhos diferentes ou o negrito para destacar esses tópicos, de forma que os subtítulos principais estejam configurados com um tamanho de fonte maior e os secundários com uma configuração menor.

Além disso, pode ser interessante destacar a palavra-chave durante o texto para que o algoritmo consiga identificá-la mais facilmente.

Hipelinks internos e externos

Dentro do seu conteúdo, é importante que você utilize links para direcionar o leitor para outros textos igualmente relevantes para dentro ou fora do seu site.

No caso de um hiperlink interno, você irá colocá-lo em uma frase que se conecte com algum outro conteúdo que esteja no seu blog, de forma que o seu leitor poder ler mais sobre o assunto e singularidades que não foram tratadas no conteúdo exposto.

Uma dica é utilizar um link a cada 300 palavras. Porém, se atente para colocar links internos que realmente tenham a ver com o seu conteúdo e que estejam funcionando.

Da mesma forma, você pode utilizar links externos, cujo objetivo é direcionar o leitor para fora do seu site. Caso você utilize uma pesquisa para embasar seu texto, por exemplo, pode ser relevante você utilizar o hiperlink para levar o seu público até essa pesquisa.

Mas cuidado: quando fazer uso de links externos, não leve seu leitor para um concorrente. Esse com certeza não é o seu objetivo e pode prejudicar o seu negócio.

Contudo, fazer parcerias de marketing com empresas da sua área de atuação, de forma que vocês realizem uma troca de links em blog posts pode ser uma boa prática de SEO.

Imagens

É importante que você utilize imagens no meio do texto ou site para melhorar a experiência visual do leitor.

Os robôs do Google não conseguem ver as imagens do texto. Dessa forma, é imprescindível que, na hora de salvar a figura, você a nomeie descrevendo o que está nela utilizando hifens e a palavra-chave.

Tempo de carregamento da página

Uma boa prática de SEO é fazer com que a página online tenha um carregamento rápido, uma vez que a experiência do usuário é uma das coisas que mais importam para os algoritmos do Google.

Assim, cuidar dos aspectos visuais e do design para que seu site seja otimizado e com um carregamento ágil é relevante para conseguir um bom ranqueamento.

Página responsiva

De acordo com o IBGE, em 2016, 94,6% dos brasileiros utilizam o celular para acessar a internet.

Dessa forma, ter um site responsivo, ou seja, que se adapte aos dispositivos móveis é relevante para uma melhor experiência do leitor e é um dos fatores de ranqueamento do Google.

Uma boa prática de SEO é trabalhar para que o seu site sempre se adapte aos celulares e tablets, visto que muitas pessoas podem querer ler conteúdo, acessar sua página ou até mesmo realizar uma compra através do seu site pelos dispositivos móveis.

Conteúdo evergreen

O conteúdo evergreen é aquele que não perde relevância ao decorrer do tempo. Uma notícia, por exemplo, é um conteúdo que possui um prazo de validade.

A ideia aqui é produzir um conteúdo que possa ser lido em qualquer época e, ainda sim, ele terá sentido.

Claro que revisões são importantes, visto que os processos evoluem de forma bastante rápida e muitas coisas mudam.

Porém, esse tipo de conteúdo, não importa quanto tempo passar, será considerado como um conhecimento sem prazo de validade e que pode trazer tráfego por tempo indeterminado.

SEO WhiteHat x SEO BlackHat

Existem duas vertentes acerca do uso do SEO: uma que segue as boas práticas e outra que tenta burlar os algoritmos do Google.

O SEO BlackHat é aquele que objetiva enganar os robôs do Google, tentando ranquear no Google com práticas reprováveis.

Algumas dessas ações negativas são: utilizar links ocultos ou comprados, copiar o conteúdo de uma outra página, repetição da palavra-chave sem necessidade e criação de conteúdo irrelevante só para utilizar a palavra-chave.

Já o SEO WhiteHat é o aquele que segue as boas práticas listadas neste post e que tem como foco conseguir um tráfego orgânico para o seu site.

Quem faz uso do SEO BlackHat pode ter sua página banida do Google ou ter seu conteúdo desconsiderado pelo mecanismo de pesquisa. É altamente recomendável que não se utilize o SEO BlackHat, visto que, além de ser uma prática irregular, pode prejudicar o seu negócio.

Além disso, é comprovado que é possível conseguir ótimos resultados seguindo as boas práticas de SEO, sem a necessidade de utilizar trapaças.

Gostou deste conteúdo e quer conhecer mais sobre o Inbound Marketing? Baixe o nosso e-book!

 

Guia Inbound Marketing